quinta-feira, 17 de outubro de 2019





                         Outubro, o mês dos gênios do futebol
                                                                                                                                    José Rezende
                Em outubro nasceram os dois maiores gênios do futebol brasileiro e porque não dizer da história do futebol mundial. Um nasceu no dia 18 de outubro de 1933 e o outro veio ao mundo no dia 23 de outubro de 1940. Receberam os nomes de Manoel dos Santos e Edson Arantes do Nascimento.
                
Manoel nasceu em Pau Grande, distrito de Xerém, no Estado do Rio de Janeiro, e Edson, em Três Corações, no sul de Minas Gerais. Ambos ficaram conhecidos no mundo do futebol pelos seus apelidos: Garrincha e Pelé.


Os primeiros chutes do garoto Manoel foram dados nas peladas da Rua dos Caçadores. Fascinado por uma bola, ele sempre arranjava uma desculpa para faltar à Escola Domingos Bebiano, da Fábrica Pau Grande da Cia. América Fabril.

Outra diversão predileta do menino Manoel era caçar passarinhos. Gostava de pegar garrinchas, pequeno pássaro mais conhecido pelo nome de cambaxirra. Rosa, sua irmã, lhe deu o apelido de Garrincha, com o qual ficou conhecido mundialmente.

Os repórteres que estavam presentes ao primeiro treino de Garrincha, no Botafogo, elogiaram o desempenho daquele jovem de 19 anos. O Diário da Noite publicou: “Surgiu uma nova estrela no Botafogo. Sensacional o treino de Gualicho”.  

No início a imprensa o chamou de Gualicho, nome de um cavalo veloz e campeão das corridas no Hipódromo da Gávea. Depois, Garrincha passou a ser um nome obrigatório, escrito e falado, em todos os veículos de comunicação.

Sete anos depois, em Três Corações – Minas Gerais, um garoto se encantou com as atuações do goleiro Bilé, que defendia a meta do São Lourenço, time em que jogava Dondinho, seu pai. Nas peladas o menino Edson se comparava ao seu ídolo. Seus colegas confundiam Bilé com Pelé e com o passar do tempo definitivamente Bilé se transformou em Pelé.

Garrincha e Pelé protagonizaram grandes espetáculos, nas décadas de 50 e 60, nos campeonatos regionais, na seleção brasileira e no exterior. Os confrontos entre Botafogo e Santos eram momentos especiais. Torcedores de outros clubes iam aos jogos dos alvinegros carioca e paulista para verem os dois fantásticos jogadores.

Na seleção brasileira, juntos, conquistaram o primeiro título mundial, na Suécia, em 1958. Em 1962, Pelé se contundiu no jogo contra a Tchecoslováquia, segunda partida da Copa. Garrincha jogou pelos dois e o Brasil chegou ao bicampeonato.

A seleção brasileira teve Pelé e Garrincha no mesmo time em 40 jogos. Foram 36 vitórias e 4 empates. Portanto, o Brasil com Pelé e Garrincha nunca conheceu o dissabor de uma derrota.

De Garrincha, no dia 18 de outubro, fica a lembrança do único e verdadeiro fenômeno do futebol. O Chaplin dos gramados. Os seus dribles encantaram as plateias em todo o mundo. Ele será eternamente a “Alegria do povo”.

Quanto a Pelé, o mais completo jogador que o mundo já viu, temos a felicidade de abraçá-lo no dia 23 de outubro. Na sua última Copa, em 1970, nos gramados mexicanos, nos brindou com lances inesquecíveis.  


Garrincha chegou ao Botafogo em 1953. Ei-lo ao lado de seu descobridor Arati


 Levado ao Santos por Waldemar de Brito, o garoto Pelé com 15 anos dava os primeiros passos na Vila Belmiro, em 1955

Garrincha e Pelé são incomparáveis. Eles são criaturas únicas criadas pelo Criador! Saudades de Garrincha e parabéns a Pelé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário